O chão comum
Margarida Davim Jornalista
24 de novembro

O chão comum

À medida que o volume das discussões aumenta até ao ponto de só suportarmos ouvir quem nos faz eco, há qualquer coisa que se perde. E essa coisa chama-se democracia.

A política é um caminho de escolhas. Os pragmáticos e os cínicos preferem dizer que é a arte do possível. Eu gosto de acreditar que é o ofício do impossível.

Há quem não goste de se ver em caixas para definir uma posição. Mas é inegável que uma parte importante do que somos politicamente é definido pela sociedade que queremos construir. 

Isso não é, porém, tudo. Podemos concordar no destino e discordar no caminho. E, sim, escolher a rota é uma parte fundamental de um posicionamento político.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui