Estamos condenados a matar homens que carregam sacos de algodão?
Margarida Davim Jornalista
26 de janeiro

Estamos condenados a matar homens que carregam sacos de algodão?

E isso coloca uma questão: como podemos confiar no nosso julgamento? E, sobretudo, de que forma podemos superar isso para que o que nos é apresentado nos faça mover do lugar onde estamos?

Dois homens saem de um edifício carregando sacos brancos e dirigem-se a um carro. Observando a cena pela lente de um drone, os militares não têm dúvidas: são explosivos. Disparam a matar. O carro explode e isso fá-los acreditar que o edifício é um paiol. Disparam sobre o novo alvo. Mais tarde, a investigação interna do Exército Americano relevou que o edifício era uma fábrica de algodão. Nos sacos que os civis mortos transportavam só havia algodão.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui