Estados  de espírito
João Pereira Coutinho Politólogo, escritor
07 de janeiro

Estados de espírito

O meu interesse nestes debates não é saber quem ganha – é saber quem aguenta André Ventura com igual estoicismo, sem enfartar ou agredir o adversário em directo. Será Rui Rio capaz? Será António Costa?

Se Catarina Martins quer ganhar uns votos à esquerda e até à direita, devia informar o país se estava a tomar alguma coisa na noite em que debateu com André Ventura. Também quero: aquele sorriso, aquele sorriso, o meu reino por aquele sorriso! E a calma angelical de quem citava o Papa Francisco por tudo e por nada, enquanto Ventura, como um rottweiler esfomeado, lá ia jantando a perna da beata.

Ou é medicação, ou é treino de actriz, segundo o método Stanislavski: fisicamente, Catarina estava ali, em estúdio; mas, mentalmente, eu sei que ela planava algures, sobre as montanhas do Tibete. Até Ventura ficou abismado com a dimensão do milagre.

Depois deste espectáculo de rara beleza, é preciso reconhecer que a fasquia está demasiado alta. O que significa que o meu interesse nestes debates não é saber quem ganha – em 25 minutos, ganhar e perder não se aplica ao entretenimento em questão. O meu interesse é saber quem aguenta André Ventura com igual estoicismo, sem enfartar ou agredir o adversário em directo. Será Rui Rio capaz? Será António Costa?

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais