A varanda
Pedro Duro
12 de fevereiro

A varanda

A noite faz-me olhar para vidraças como quem escreve pequenos romances. Não espreito para ver, porque não roubo a vida de ninguém. Espreito para imaginar, enquanto tomo todas as vidas de empréstimo.

A capa da revista de bordo oferecia-me um jogo de luz com varandas que se acendiam para responder ao crepúsculo.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login