A caminho do fim da história
Paulo Batista Ramos
24 de janeiro

A caminho do fim da história

Os traços de obstinação e recalcamento de Putin significam que este é, naturalmente, um tirano reincidente. No respeitante à Rússia, e aos seus acólitos, o pequeno ditador não lhes oferece senão um beco sem saída.

De entre as muitas formas como a história pode terminar, algumas são, seguramente, surpreendentes. Os acontecimentos de política internacional do ano de 2022 permitem antever o seu o seu epilogo. E o enredo teórico, redesenhado por Francis Fukuyama, está cada vez mais próximo de se concretizar.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui