O valor da aldeia global
Paula Cordeiro
10 de maio

O valor da aldeia global

Mudou mais depressa a mentalidade do empregado do que a do empregador, razão pela qual os mais competentes saem, os mais corajosos abandonam, os mais eficientes batem com a porta, deixando as empresas com dificuldade em reter e, a seguir, em contratar talento porque são muitos os que já não aceitam as condições que as empresas têm para dar.

Escrever todas as semanas e encontrar um tema relevante é uma tarefa muitas vezes desvalorizada. Pelo tempo que ocupa, a dedicação que exige e a atenção que requer. As histórias estão em todo o lado, só temos de estar atentos, dizem quase sempre nos workshops de storytelling. É verdade mas estar atento supõe uma observação e escrutínio constante do mundo que nos rodeia, num processo sem princípio, meio ou fim. Quem escreve já não sabe viver de outra forma e por isso, numa altura em que o mundo tem cada vez mais histórias, escrevo sobre o valor do trabalho, aquele que fazemos todos os dias, que nos paga as contas e dá a retribuição emocional da qual certos gurus do capitalismo falam. Escrever também é isso. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui