Eu nunca fui discriminada
Catarina Caria Gestora de programas na área de Paz e Desenvolvimento Sustentável
12 de fevereiro

Eu nunca fui discriminada

Atualmente, mais de 200 milhões de mulheres e meninas são sobreviventes da prática de mutilação genital feminina (MGF), de acordo com os dados da UNFPA.

Esta semana, a propósito do "Dia da Tolerância Zero para com a Mutilação Genital Feminina (6 Fevereiro), sentei-me com a Mónica Ferro, diretora do escritório de Londres do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) e uma eterna apaixonada pelos direitos das mulheres. Quis perceber os contornos desta prática, profundamente, assente em pressupostos religiosos e culturais. Mas, como qualquer café em boa companhia, a conversa teve "pano para mangas", impossível de resumir em 5000 caracteres. O tema da penalização da maternidade assumiu o protagonismo.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login