O “marionetista do terror” iraniano

O “marionetista do terror” iraniano
Sara Capelo 07 de julho de 2019

Suleimani esteve no Iraque e na Síria a comandar a sua tropa de elite (a Quds) e o Hezbollah. Mas é também ele que manda espiar a Alemanha ou assassinar um embaixador em Washington.


Qassem Suleimani é um homem baixo e que nunca levanta a voz. Mas assim que entra numa sala, não há quem consiga esquecer-se da sua presença, mesmo que não intervenha na reunião. O general, que já ultrapassou os 60 anos, tem aquilo a que os árabes chamam khilib, ou um carisma discreto mas sempre presente; intimidante.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais