Crítica de Artes Plásticas: João Onofre

Não sendo das obras mais espectaculares de Onofre-é das mais completas do autor

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 30 de junho a 6 de julho
As mais lidas GPS
Carlos Vidal 31 de maio de 2017

Não sendo das obras mais espectaculares de Onofre - lembremo-nos de Tacet (2014), em que um pianista executa uma peça até se incendiar o piano, ou de Box Sized DIE (2007), em que uma banda death metal experimenta tocar, sem ar, no interior de um cubo, que reproduz uma escultura de Tony Smith -, nem sendo das mais líricas (como a criança que canta numa floresta La nuit n'en finit plus) ou mais visionárias (como GHOST, de 2009, em que uma ilha com uma palmeira passeia pelo Tejo, esta intervenção subtitulada "orchestral", mas sem título) é das mais completas do autor.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
A Newsletter As Mais Lidas no seu e-mail
Às Sextas-Feiras não perca as notícias mais lidas da semana