Entrevista
Entrevista

Pedro Nobre: "Um dos maiores mitos é a ideia de que sexo é igual a coito"

Pedro Nobre: 'Um dos maiores mitos é a ideia de que sexo é igual a coito'
Vanda Marques 14 de fevereiro

O desejo sexual é um direito. Há cada vez mais pessoas acima dos 65 a ter sexo. A prevalência do coito cria tantos problemas nos homens como nas mulheres. Uma conversa sem tabus com o diretor do SexLab da Universidade do Porto.

Os mitos ainda são muitos e alguns até parecem datados. Por exemplo, o sexo é apenas coito, a mulher não tem tanto prazer como o homem e ele está sempre disponível. Ou até que o fim do desejo sexual espontâneo é sinal de que a relação está por um fio, quando na verdade o desejo sexual se constrói. Um dos pontos que podem ajudar a melhorar a sexualidade é reclamarmos o direito ao prazer sexual. Quem o diz é Pedro Nobre, professor e presidente da Associação Mundial para a Saúde Sexual, que defende que esse é o último tabu da sexualidade.

No congresso mundial de Saúde Sexual, defenderam que o prazer sexual é um direito. Porquê?
O prazer sexual faz parte dos direitos sexuais, mas está implícito. Ainda temos um conjunto de questões – como o consentimento (que tem a ver com a violência ou abuso sexual); a informação sexual baseada na evidência e não em mitos; o acesso ao planeamento familiar ou a diversidade LGBTQI – que são mais faladas. Sabemos que é polémico destacar o prazer. Só que o prazer está ligado à sexualidade. Infelizmente nem toda a sexualidade envolve prazer, mesmo quando é consentido e desejado.

Porquê?
As pessoas podem ter sexo não em busca do prazer, pode ser para manter a relação, pela intimidade no casal, por exemplo. Mas o prazer funciona como reforço para que as pessoas tenham motivação para se envolverem novamente. É uma das últimas fronteiras nos direitos sexuais. O prazer é muito importante para a educação sexual, que é muito focada nas questões da prevenção da gravidez indesejada, das doenças sexualmente transmissíveis e do consentimento. Não podemos omitir a importância do prazer sexual quando as pessoas iniciam a atividade sexual. Temos de afirmar que o prazer é um direito básico da saúde sexual.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
A Newsletter Geral no seu e-mail
Tudo o que precisa de saber todos os dias. Um resumo de notícias, no seu email. (Enviada diariamente)