Entrevista

Rodolfo Reis: “Nunca almocei com um jogador e não deixava que me tratassem por tu”

Carlos Gonçalo Morais 25 de dezembro de 2021

Furou a greve no Verão Quente do FC Porto, às vezes vai aos fados com Pinto da Costa e admite que era péssimo como treinador-adjunto porque não dava confiança aos atletas. E tem um negócio de têxteis com a mulher, que é sueca.

No último ano da carreira entrou em confronto com o treinador António Morais; trepou a rede de acesso do campo nº 2 das Antas com os juniores para poderem treinar no relvado; no Verão Quente, contrariou Pedroto e Pinto da Costa e furou a greve de jogadores. Em entrevista à SÁBADO, Rodolfo Reis conta os episódios mais marcantes e algumas aventuras dos mais de 20 anos em que esteve no FC Porto, como jogador e treinador. Sem esquecer a agressividade com os adversários. "Aos jogadores do Benfica que vinham ter comigo eu dizia: ‘Oh pá, não te conheço de nenhum lado. E quando chegar ali e o árbitro apitar vai ser a doer.

Nasceu no Porto?
Sim, mais propriamente na maternidade de Cedofeita, aquilo era giro porque quem nascesse numa ala era de Cedofeita e havia outra ala que era Miragaia, portanto, nasci na de Cedofeita. Vivi sempre em Lordelo do Ouro, muito perto da foz do Douro, sou um homem citadino.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
A Newsletter As Mais Lidas no seu e-mail
Às Sextas-Feiras não perca as notícias mais lidas da semana