Marilyn Monroe. Um amor à distância que resiste ao tempo

Luís Francisco 05 de agosto

Marilyn Monroe nunca visitou Portugal e morreu há 60 anos. Continua, no entanto, a ser um ícone do cinema entre nós. “Era tão sexy, tão gira, que as pessoas apaixonavam-se por ela”, resume o realizador António-Pedro Vasconcelos.

A 5 de agosto de 1962, o Diário de Lisboa publicava uma notícia chocante: “Marilyn Monroe suicidou-se (com forte dose de soporífero).” Por causa da diferença de fuso horário, este vespertino (saía à tarde), acabou por dar a notícia antes dos matutinos (editados de manhã), que só no dia seguinte pegaram na história. “Marilyn Monroe apareceu morta nos seus aposentos em Hollywood – Num momento de depressão a famosa atriz ingeriu elevada dose de barbitúricos”, titulava em manchete o Diário de Notícias a 6 de agosto.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais