Wall Street dispara mais de 3% com emprego forte e Fed flexível

Negócios 04 de janeiro de 2019

Os principais índices acionistas em Wall Street fecharam a ganhar mais de 3%, beneficiando com a forte subida do emprego e as palavras tranquilizadoras de Jerome Powell.

Por Tiago Varzim - Jornal de Negócios

Wall Street fechou a semana em alta acentuada, beneficiando dos dados positivos do mercado de trabalho, da expectativa que haja um acordo comercial entre os EUA e a China em breve e também das declarações do presidente da Reserva Federal, que passou uma mensagem de tranquilidade aos mercados sobre a política monetária que pretende prosseguir em 2019.

 

Esta forte recuperação acontece depois de a sessão de ontem ter ficado marcada pela queda da Apple, a pior em seis anos, que arrastou as bolsas norte-americanas para perdas de quase 3% na quinta-feira. Variações que foram hoje totalmente revertidas, o que também permitiu aos índices acumularem ganhos na semana e no ano.

 

Na sessão de hoje o Dow Jones disparou 3,29% para 23.433,16 pontos e o Nasdaq somou 4,26% para 6.738,85 pontos. O S&P500 ganhou 3,43% para 2.531,94 pontos.

 

Os ganhos diários foram mais expressivos no dia posterior ao Natal (quando os índices subiram cerca de 5%), mas ainda assim a sessão de hoje em Wall Street foi uma das melhores dos últimos anos.

 

Na Europa, as bolsas também reforçaram os ganhos com o aproximar do fecho, recuperando das fortes quedas da sessão anterior. O Stoxx 600, índice que agrega as 600 principais cotadas europeias, disparou 2,83% para 343,38 pontos, atingindo um máximo de três semanas. A valorização semanal foi a maior desde o início de novembro.

 

Economia norte-americana dá sinal de força. Powell acalma mercados

 

No inicio da semana os receios com o abrandamento da economia global provocaram quedas nas bolsas, mas os dados do emprego revelados esta sexta-feira nos EUA vieram acalmar os mais pessimistas. De acordo com os dados divulgados pelo Departamento do Trabalho norte-americano, a economia dos EUA somou 312 mil empregos em dezembro, quase o dobro do esperado pelos analistas (185 mil). 

Além da criação de emprego, o relatório sobre o mercado de trabalho revela que as remunerações por hora aumentaram 3,2% em dezembro, o ritmo mais elevado desde 2009. A forte criação de emprego e o incremento acentuado dos salários vêm aliviar os receios sobre uma travagem abrupta na economia norte-americana em 2019. Com o número de trabalhadores a aumentar e os rendimentos a crescer, o consumo das famílias deverá prosseguir em alta no próximo ano.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login