Refugiado acusa Portugal de "guerra psicológica" e faz greve de fome

CM 28 de novembro de 2017

Em causa está o atraso na atribuição do visto de residência permanente.

Por Correio da Manhã

Um refugiado yazidi a residir em Portugal acusa o Estado português de ter começado uma "guerra psicológica" contra ele e começou segunda-feira uma greve de fome contra aquilo que considera ser "atraso" na atribuição do visto de residência permanente.

Segundo Saman Ali, iraquiano de 34 anos que veio para Portugal, mais concretamente para Guimarães, a 06 de março de 2016, depois de um ano na Grécia, para "escapar ao terror e à perseguição religiosa" preconizados pelo grupo 'jihadista' Daesh, as autoridades portuguesas de lhe terem "fechado todas as portas" e de estarem a retardar a concessão do estatuto de proteção internacional.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login