Greves, salários e produtividade

Negócios 06 de janeiro de 2019

A fraqueza dos movimentos grevistas tradicionais na concretização de aumentos salariais é notória mas não tem sido suficientemente sublinhada. A baixa dos salários em Portugal tem, em grande parte, a ver com esta fraqueza.

Por Avelino Jesus - Jornal de Negócios

Várias greves recentes - algumas ainda em curso ou com novas edições programadas - foram objecto de inusitadas críticas. Estas incidem sobre três pontos: 1) os impactos negativos sobre os utentes, 2) a natureza dos organizadores que foge do enquadramento político habitual em que surgem entidades promotoras recentemente criadas como o caso dos enfermeiros e 3) o facto de, nalguns casos, as greves terem um suporte financeiro inovador para o meio.

 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui