Espanha: Sánchez cada vez mais apertado entre a espada e a parede

Negócios 29 de fevereiro de 2016

A menos de 24 horas do debate sobre a investidura do líder socialista, são cada vez menos as certezas sobre os apoios que Pedro Sánchez conseguirá assegurar. A incerteza é cada vez maior e nenhum cenário está colocado de parte.

Por David Santiago - Jornal de Negócios

Praticamente um mês depois de ter sido encarregado pelo rei Felipe VI de tentar ser investido como primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sánchez, secretário-geral do PSOE, terá oportunidade, esta terça-feira, 1 de Março, de explicar ao que vai perante o Congresso espanhol(equivalente à Assembleia da República).
 
Assim, esta terça-feira a partir das 16:30 (15:30 em Lisboa), Pedro Sánchez apresentará o programa político do Governo que o próprio pretende formar e liderar. E solicitará a confiança (mais concretamente, o apoio) dos restantes deputados à sua investidura. E aqui é que começam os problemas.
 
Desde já porque neste momento é ainda absolutamente impossível antecipar qual o partido ou partidos que vão apoiar a investidura do líder socialista. Depois de no passado sábado mais de 70% dos militantes socialistas terem ratificado o acordo alcançado entre o PSOE e o Cidadãos tendo em vista um "acordo de legislatura", seria expectável que Pedro Sánchez obtivesse o apoio dos deputados do partido liderado por Albert Rivera. Contudo, já esta segunda-feira, 29 de Fevereiro, o Cidadãos avisou que reavaliará o apoio à investidura de Sánchez se houver alguma modificação ao compromisso alcançado entre Rivera e o líder do PSOE na semana passada. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login