Cuba sai de programa social e pode deixar regiões do Brasil sem atendimento médico

CM 15 de novembro de 2018

Governo de Havana decidiu sair do programa depois de Jair Bolsonaro afirmar que cortaria relações com a ilha.

Por Domingos Grilo Serrinha, correspondente no Brasil - Correio da Manhã

A decisão do governo de Cuba de romper o acordo que tinha com o Brasil no programa social "Mais Médicos", que levava médicos cubanos para regiões brasileiras remotas e carenciadas, pode deixar centenas de cidades sem um único médico. O governo de Havana decidiu sair do programa depois do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmar há dias que cortaria relações com a ilha por ser governada por uma ditadura que explora o seu povo e não respeita os direitos humanos.

Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro já tinha dito, num comício na cidade de Presidente Prudente, que expulsaria os cubanos que participam no "Mais Médicos". Ao seu estilo agressivo, Bolsonaro disse na altura suspeitar que entre os supostos médicos cubanos deveria haver pessoas que nem médicos são e outras que foram para o Brasil com intuitos suspeitos, chegando até a citar a presença de militares de Cuba no programa social.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui