O big brother do mar numa sala do Alfeite

O big brother do mar numa sala do Alfeite
Sara Capelo 08 de dezembro de 2017

Chamam-lhe Oversee e é um programa informático que tudo vê. Por dia, acompanha mil navios da marinha mercante na nossa costa

Numa sala escura, de persianas corridas, na Base Naval do Alfeite, a Marinha portuguesa controla 5,8 milhões de km2. É ali que funciona o centro de coordenação de busca e salvamento marítimo de Lisboa (conhecido pela sigla inglesa, MRCC), onde cinco militares e um agente da Polícia Marítima analisam em permanência o mar. É a partir dali que um paquete consegue comunicar com os serviços de emergência em terra (do INEM) e é dali que se activa uma evacuação, caso seja necessária; ou que se comunica com os submarinos em missão e se dá apoio aos navios portugueses quando estes estão envolvidos em missões de recolha de emigrantes. E é ali também que, através do COMAR (Centro de Operações Marítimas), acompanham acções de combate ao tráfico de droga, lideradas pela Polícia Judiciária (PJ) com o apoio da Marinha e da Força Aérea.

Abordagem com um helicóptero

Tudo está acessível a esta espécie de big brother do mar? "Temos uma costa gigante e não é possível controlar tudo", diz Pedro Carvalho Pinto, chefe da divisão de operação e que dirige o COMAR. É que, por dia, passam por cá mil navios mercantes. 
Abordagem com uma lancha

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais