Metade dos refugiados em Portugal deixaram de precisar de apoios extra

CM 17 de novembro de 2018

Para o Governo, a falta de necessidade de apoios é um indicador de sucesso dos programas de acolhimento.

Por Lusa - Correio da Manhã

Quase metade dos refugiados que Portugal acolheu desde dezembro de 2015 deixou de precisar de apoios complementares quando o seu período de acolhimento institucional terminou, o que, para o Governo, revela o sucesso dos programas de acolhimento.

Os ministros da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, e da Administração Interna, Eduardo Cabrita, salientaram este sábado, em comunicado conjunto, o trabalho que o país tem feito no acolhimento de refugiados, sublinhando que Portugal "tem sido reconhecido nacional e internacionalmente" pelas respostas ao fluxo de migrantes e requerentes de asilo.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais