As mulheres que Portugal condenou à morte

Pedro Jorge Castro 01 de julho de 2017

No dia em que se assinalam 150 anos da abolição da pena de morte. Conheça as mulheres que o Estado condenou à pena máxima

A pena de morte não era o castigo mais grave que podia ser aplicado a uma criminosa em Portugal no século XVIII. Em casos muitos chocantes, era ainda possível juntar uma série de punições antes e depois da execução, para agravar a pena. Foi o que aconteceu com Luísa de Jesus, uma rapariga casada, de 22 anos, nascida em Figueira de Lorvão, Penacova. "Não se pode achar um monstro de coração tão perverso e corrompido – e de que não haverá facilmente exemplo no presente século", lê-se na sentença.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais