Para além  da morte
Nuno Costa Santos
08 de janeiro de 2017

Para além da morte

Em todo o caso, tornou-se decisivo desligar de vez em quando deste obituário permanente que nos cerca

A pergunta é servida sem açúcar ou adoçante neste café onde passo as horas iniciais de 2017: a vida humana no Ocidente será menos valorizada à conta de tantos atentados e mortes, acontecimentos banalizados por este desejo totalitário de "actualização" de todas as informações que incluam sangue? Vamos passar a ter menos medo de morrer?

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais