A (des)vantagem de ser mulher
Margarida Davim Jornalista
10 de novembro

A (des)vantagem de ser mulher

O privilégio é invisível aos olhos de quem o carrega. Como um manto, que todos vêem menos os que o envergam.

O corpo é uma máquina de viver. Só que nunca nada é assim tão simples. Porque as peças que o compõem não cumprem só funções, são símbolos. E é aí que tudo se complica.

No momento em que chegamos ao mundo, não começamos nada do zero. Trazemos peças que determinam muito do que vamos ser. Quase tudo. Demasiado.

Na lotaria do nascimento, calhou-me a sorte deste pequeno rectângulo no hemisfério norte, lado ocidental do mundo. Um acidente geográfico auspicioso, que me poupou de muitos problemas.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui