Fanatismos
João Pereira Coutinho Politólogo, escritor
01 de julho

Fanatismos

Se o aborto fosse um caso “óbvio” e sem dramas, a bibliografia sobre o assunto não seria extensa e variada. Falar do aborto é falar de um dos temas éticos mais complexos da nossa civilização. Não é um concurso de decibéis, só para ver quem grita mais alto.

NUNCA ME PASSOU PELA CABEÇA que uma pessoa favorável à liberalização do aborto é um assassino em potência. Entendo o argumento da autonomia individual - e entendo, sobretudo, aqueles que defendem o aborto como uma forma de proteger a saúde e a vida das mulheres, a começar pelas mais pobres.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais