A carteira e os princípios
João Pereira Coutinho Politólogo, escritor
04 de março

A carteira e os princípios

É possível olhar para Putin sob todos os ângulos: político, histórico, ideológico, geoestratégico. Mas, aqui e ali, lá vem a pergunta fatal: será que o homem enlouqueceu? A confirmar-se o diagnóstico, talvez o principal contributo militar de Portugal não fosse enviar equipamento para a Ucrânia, mas o almirante Gouveia e Melo para Moscovo.

É sempre o mesmo dilema: a carteira ou os princípios? Durante décadas, a Europa acreditou que era possível ter ambos. Que interessava uma Rússia crescentemente autoritária e revanchista quando era possível fazer negócios vantajosos para as duas partes?

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais