Mar de Sargaços
João Pedro George
18 de setembro

Mar de Sargaços

Queria ser arrancado do meu torpor. Tomar consciência do mundo em que vivo. Mas, para isso, era necessário primeiro sair dele, atravessando o espelho, mudando a rotina de me interessar apenas por obras que carregam o peso da eternidade.

Uma tarde destas, armei a minha tenda de sociólogo na Bertrand do Chiado. Gosto de entrar em livrarias só para ver os livros, mas agora levava os óculos de ver ao perto, um bloco de apontamentos e um lápis de carpinteiro.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais