Dos maus casos não reza a História
Eduardo Dâmaso
25 de novembro

Dos maus casos não reza a História

António Costa, o Governo e o seu partido poderiam dar agora um enorme contributo na construção do Estado de direito se percebessem que, apesar de a vitimização ser uma tentadora arma política, dos maus casos não reza a História.

Os socialistas têm andado pelo País a esclarecer o seu povo que estão a ser vítimas de uma “política de casos”, inventada pelos seus inimigos, em particular a oposição de direita. Pedem nervos de aço aos militantes e evocam a legitimidade histórica, como fez António Costa, no fim de semana, de terem sido os criadores do Estado de direito democrático. A coisa não foi por menos: “Fomos também o partido fundador do que são marcas fundamentais da nossa democracia, como o Estado de direito. Foi com o PS de Salgado Zenha e Almeida Santos que construímos este nosso modelo de uma magistratura judicial independente e de um Ministério Público autónomo que garantem uma adequada separação de poderes.”

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais