Formação dos magistrados: passar das palavras aos atos
Paulo Lona
22 de novembro

Formação dos magistrados: passar das palavras aos atos

A falta de magistrados do Ministério Público tem vindo a acentuar-se e constitui um problema gravíssimo no funcionamento desta magistratura.

Existe, como já antes aqui escrevi, um consenso generalizado no reconhecimento da  necessidade de aumentar a capacidade formativa do Centro de Estudo Judiciários (CEJ), permitindo que este dê resposta ao que são as reais necessidades formativas das magistraturas (é importante olhar para o envelhecimento das magistraturas e problemas inerentes), bem como de aumentar o número de candidatos aos cursos de formação de magistrados (que tem vindo a baixar drasticamente concurso após concurso) e cativar os melhores alunos das diversas faculdades de direito do país para que procurem, finda a sua licenciatura e mestrado, os concursos de ingresso nas magistraturas.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui