Dominados pela tecnologia, vergados pelo ecrã: bem vindos aos almoços grátis do século XXI
Paula Cordeiro
20 de abril

Dominados pela tecnologia, vergados pelo ecrã: bem vindos aos almoços grátis do século XXI

Já imaginaram o que seria o instagram se, por um dia, ninguém - ninguém! - publicasse nada? Estamos a falar de empresas privadas cujo objectivo último é o lucro, que criaram dois modelos de negócio admiráveis: não produzem nada, mas inventaram uma plataforma que nos dá voz e permite criar, ou oferecem um serviço que trocamos por informação sobre os nossos comportamentos quotidianos.

A história da humanidade é, também, a história das formas que fomos encontrando para dominar a natureza. O progresso tecnológico foi estruturando as condições da sociedade contemporânea, a digitalização aumentou a velocidade da mudança, a expansão do acesso à Internet e, recentemente, dos dispositivos móveis, criou um contexto com o qual estamos todos a aprender a lidar.

E é neste contexto que as Big 5, as cinco principais empresas de tecnologia norte americanas, ou seja, Facebook, Amazon, Apple, Microsoft e Google, dominam o mundo. Desenvolveram novos serviços e formas de interacção, como o correio electrónico, mensagens instantâneas, fóruns de discussão, serviços de localização, compras e redes sociais. Juntas, produzem o equivalente ao Produto Interno Bruto da 4ª maior nação do planeta e também juntas, entraram nas nossas vidas de formas nunca antes imaginadas.

Mark Zuckerberg, conhecido pelo seu desejo de andar depressa e partir tudo à sua passagem, planeia agora criar um instagram para crianças, onde estas estejam livres dos perigos que as redes sociais representam. Mesmo? Estarão estas crianças a salvou quando abdicam da sua privacidade, cedendo informação sobre os seus comportamentos que, por sua vez, servem também para lhes definir o comportamento, num condicionamento comportamental à escala global?

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui