Investigação

Guerra Colonial. Os apelos que ficaram sem resposta

Os últimos anos antes do início da guerra em Angola, na Guiné e em Moçambique foram de intensa actividade diplomática por parte dos movimentos nacionalistas, tentando seguir a via do diálogo, evitando assim um conflito armado.

Os movimentos nacionalistas das colónias portuguesas tentaram por diversas vezes e por várias formas encontrar uma ponte de diálogo com o governo de Salazar, propondo negociações, com ou sem intermediários.

Os últimos anos antes do início da guerra em Angola, na Guiné e em Moçambique foram de intensa actividade diplomática por parte dos movimentos nacionalistas, tentando seguir a via do diálogo, evitando assim um conflito armado.

A resposta foi sempre o silêncio ou, nalguns casos, tiradas sarcásticas nos jornais mais ligados ao regime.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
A Newsletter SÁBADO É TODOS OS DIAS no seu e-mail
NEWSLETTER EXCLUSIVA PARA ASSINANTES O resumo das notícias pela redação da SÁBADO, sempre ao início da manhã. (Enviada de segunda a sexta)