Coronavírus mata dramaturgo italiano Antonio Tarantino

Rita Bertrand 21 de abril de 2020

Em Portugal, ficou conhecido graças a encenações de Stabat Mater, Paixão Segundo São João ou A Paz, pelos Artistas Unidos. Tinha 82 anos

Sombrio e solitário, ríspido e lúcido (por vezes de uma maneira incómoda, ao pôr os dedos e as palavras nas grandes feridas da humanidade), Antonio Tarantino nasceu em Bolzano em 1938 e a sua primeira paixão artística foi a pintura, a que se dedicou de forma autodidata, com sucesso desigual. Só mais tarde, em 1993, já com meio século de vida, se tornou um dos mias indispensáveis autores do teatro contemporâneo europeu.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais