SAD do Benfica não chama Vieira a testemunhar no caso E-Toupeira

CM 26 de outubro de 2018

Benfica não arrola presidente como testemunha. Opta por outros administradores para explicar que os encarnados nada sabiam.

Por Tânia Laranjo - Correio da Manhã

O interlocutor de Paulo Gonçalves era Luís Filipe Vieira, mas não será o presidente do Benfica a ser chamado a testemunhar no caso E-Toupeira. As testemunhas foram arroladas pelas defesas e a SAD pediu apenas a inquirição de Domingos Soares Oliveira e Renato Gaioso.

Os administradores do Benfica vão dizer que nada sabiam sobre o que fazia o advogado Paulo Gonçalves e que desconhecem se aquele dava ou não conhecimento ao presidente dos bilhetes que oferecia aos funcionários judiciais. Terão ainda de tentar convencer a juíza Ana Peres, que vai presidir à instrução, que Paulo Gonçalves não agia para beneficiar o Benfica.

Também inquirido será Paulo Gonçalves - o ex-diretor jurídico dos encarnados que recusou prestar declarações no inquérito. Será agora a primeira vez que falará à Justiça. É ouvido dia 16 de novembro, às 14 horas.

Também os presidentes da Federação e da Liga serão inquiridos. Fernando Gomes e Pedro Proença vão a tribunal no dia 20, às 15 e 15h30. Para uma hora depois está marcada a inquirição de Luís Bernardo.

Sabe o CM que também já está marcada a visita às garagens do estádio da Luz, onde alegadamente os funcionários judiciais acederam para tirar fotografias com os jogadores. Foi outra das diligências pedidas pela defesa da Benfica SAD e que foi aceite pela juíza.

Os funcionários judiciais - José Augusto, em prisão domiciliária, e Júlio Loureiro, em liberdade, vão ser interrogados dias 13 e 14, à tarde. O Tribunal Central de Instrução Criminal admite que os interrogatórios se façam por videoconferência, já que ambos moram no Norte do País.

O debate instrutório - no qual MP e advogados vão alegar - está marcado para 23 de novembro. A decisão será conhecida ao que tudo indica ainda antes do Natal, tanto mais que se trata de um processo urgente porque há um arguido em domiciliária.

"Há um antes e um depois do estádio"

"Há um antes e um depois do Estádio. Se o Estádio não tivesse sido construído continuaríamos a ter o Benfica, sem dúvida nenhuma, mas não seria um Benfica tão moderno e tão elogiado em termos internacionais como temos hoje", disse esta quinta-feira o administrador Domingos Soares Oliveira no dia em que o clube assinalou o 15º aniversário do Estádio da Luz. "O tempo parece parar quando cantam o hino", lembrou Pablo Aimar à BTV.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login