Privatização da EDP condicionou medidas da energia "de forma muito relevante"

Negócios 30 de janeiro de 2019

As exigências da Troika para o setor da energia eram contraditórias entre si e nem sempre estavam baseados num conhecimento técnico sólido, afirma o ex-secretário de Estado da Energia, Artur Trindade. A privatização da EDP foi um dos maiores entraves às políticas na área, assinalou ainda.

Por Ana Oliveira - Jornal de Negócios

Artur Trindade, como secretário de Estado da Energia do Governo de Passos Coelho, assumiu funções meses após o anúncio da privatização da EDP, e afirma que este evento "condicionou de forma muito relevante a aplicação de algumas medidas" mas que a Troika, como credor, "nunca aceitou sacrificar privatização" da elétrica.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login