Informador da PJ no centro do inquérito a Tancos

Informador da PJ no centro do inquérito a Tancos
Nuno Tiago Pinto 28 de outubro de 2017

A recuperação do armamento roubado de Tancos foi o último capítulo de uma investigação na qual a PJ e a PJM não se entendem.

Um informador confidencial da Polícia Judiciária é considerado pelas autoridades uma peça-chave na investigação ao roubo de armamento dos paióis militares de Tancos. Terá sido através de uma conversa deste homem, apanhada numa escuta telefónica no início do ano, que a PJ soube que estava a ser preparado um assalto a uma instalação militar na região de Leiria - informação que, como a SÁBADO noticiou, passou por vários juízes até Ivo Rosa, magistrado do Tribunal Central de Investigação Criminal, recusar as diligências pedidas pelo Ministério Público. Entre 25 e 28 de Junho, o assalto acabou por ocorrer em Tancos.

Residente no Algarve e conhecido no mundo do crime pela capacidade de abrir todo o tipo de fechaduras, este informador terá sido gravado a dizer que tinha sido sondado para participar no roubo, mas que não iria aceitar. No entanto, as autoridades acreditam que terá mesmo colaborado no furto do arsenal que, à excepção das munições de 9 mm, foi recuperado pela Polícia Judiciária Militar (PJM), na quarta-feira, 18 de Outubro, na Chamusca.

Os inspectores da Unidade Nacional Contra Terrorismo (UNCT) da PJ quiseram ver o material que estava a ser inventariado em Santa Margarida – local escolhido para receber o armamento desaparecido. No entanto, o Exército vedou-lhes a entrada no campo militar sem um mandado judicial.

Este foi apenas o último de muitos episódios ocorridos desde o início da investigação e que mostram a reduzida cooperação entre PJ e PJM.  A tensão atingiu um dos pontos mais elevados quando os militares da PJM informaram a PJ de que iam vigiar um local identificado numa carta anónima como estando ligado ao assalto e, ao chegarem ao local, foram surpreendidos pela presença de uma equipa da UNCT. Algo que, segundo fontes judiciais, provocou mais uma reunião exaltada entre os responsáveis das duas polícias. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais