Demasiado(s) polarizados, todos iguais
Tiago Pereira Membro da Direcção e Coordenador do Gabinete de Crise COVID-19 da Ordem dos Psicólogos Portugueses
06 de abril de 2021

Demasiado(s) polarizados, todos iguais

A perspectiva da diversidade como riqueza ajudou-me a pensar-me no Mundo e na minha relação comigo e com as outras e os outros.


TC. Leio e faço a associação automática a Tribunal Constitucional. Não foi sempre assim. Sou de uma geração marcada pela emergência da internet e por uma progressiva facilidade de acesso à informação e comunicação. Vivi a chegada do mIRC a Portugal (onde tc correspondia a teclas), alguns anos depois da sua criação em 1995. Em 1995 tinha 12 anos e, a propósito da comemoração dos 50 anos do fim da 2ª Guerra Mundial, era lançada a campanha "todos diferentes, todos iguais". Esta campanha, de prevenção do racismo e xenofobia, foi muito impactante para mim tal qual foi o desenvolvimento da internet, para mim e para toda a sociedade. Nesse momento, a perspectiva da diversidade como riqueza ajudou-me a pensar-me no Mundo e na minha relação comigo e com as outras e os outros. A pensar a diversidade de percursos, experiências e crenças como factor de questionamento e desenvolvimento.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui