Tribunal condena hotel da Serra da Lousã a pagar 628 mil euros a construtor

CM 04 de julho de 2018

Jaime Ramos, gerente da empresa, disse desconhecer o teor do acórdão.

Por Correio da Manhã

O Hotel da Serra da Lousã, detido pela Fundação ADFP, de Jaime Ramos, médico e ex-presidente da Câmara de Miranda do Corvo, foi condenado a pagar 628 mil euros à antiga empresa construtora, que foi afastada da obra.

De acordo com o acórdão datado de 15 de junho a que a Lusa teve acesso, proferido pelo tribunal arbitral da AICCOPN (Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas do Norte), a HSL - empresa que detém o hotel, titulada pela fundação ADFP e de que Jaime Ramos é um dos gerentes - foi condenada "a reconhecer a ilicitude da resolução do contrato de empreitada por si efetuada e a ilicitude da tomada de posse do local da obra a 27 de abril de 2015", cerca de sete meses antes da inauguração do empreendimento de quatro estrelas e 40 quartos, localizado em Miranda do Corvo.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login