Guerra, paz  e política
Nuno Rogeiro
21 de novembro

Guerra, paz e política

No G20, antes e depois, algo se move no terreno pantanoso da Ucrânia. Cheira a guerra, cheira a paz, cheira a política. Mas convém dar nomes às coisas, no campo de batalha das palavras.

Quando se diz que qualquer negociação de paz num conflito deve partir das “condições no terreno”, reconhece-se que a política pode ser a continuação da guerra por outros meios.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais