The Last Dance, na Netflix: Quem quer dançar com Michael Jordan?

Ele foi, sem discussão, o melhor jogador de basquetebol de todos os tempos. The Last Dance, na Netflix, é sobre a época de 1997/98, a última em que vestiu a camisola dos Bulls

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 22 a 28 de abril
As mais lidas GPS
The Last Dance, na Netflix: Quem quer dançar com Michael Jordan?
Ângela Marques 25 de abril de 2020
The Last Dance
The Last Dance

Na Santíssima Trindade americana, é difícil saber quem é o Pai (Babe Ruth?), o Filho (Muhamad Ali?) e o Espírito Santo (bom, o Dennis Rodman não é com certeza…). No altar, sabemos quem não falta: Michael Jordan.
Durante a carreira - que começou ainda na Carolina do Norte, no basquete universitário, Michael "Air" Jordan fez a imprensa gastar as palavras "astro", "estrela", "mágico", "sobrenatural". Na série documental de 10 partes que a Netflix estreou, The Last Dance, ele faz com que outras grandes personalidades, como Obama ou Bill Clinton, fiquem sem elas, as palavras, ao recordar a relevância que Jordan teve na sua vida, na cidade de Chicago e na história do desporto. 
Durante meses houve expectativa sobre a estreia da série, que já tinha sido anunciada como sendo uma crónica daquele último campeonato da NBA com a equipa-maravilha que corria atrás do seu sexto título, os Chicago Bulls de Michael Jordan, Scottie Pippen e Dennis Rodman. Quando a pandemia estalou, a Netflix anunciou: em vez de estrear em Junho, This Last Dance iria estrear em Abril. 
Milhões de fãs agradeceram aos céus - os mesmos onde viram Michael levitar e afundar durante anos (batendo os seus próprios recordes, todos recordados aqui). O homem que não era um ser humano ("Aquilo não era o Michael Jordan em campo, era Deus disfarçado", disseram sobre ele) vive hoje na Flórida e há poucos dias revelou à ABC News o que poderiam os seus admiradores esperar do documentário: "As coisas eram diferentes naquela altura. Eu pedia selos à minha mãe para lhe escrever cartas [na série, a mãe de Jordan lê uma carta que o filho lhe enviou no tempo da universidade]. Não havia Instagram nem Twitter." Mas, bom, isto é Jordan a ser modesto: o que os fãs vão poder é rever centenas das suas melhores jogadas, ouvir dezenas das suas melhores tiradas (frente a jornalistas era tão charmoso quanto letal) e ainda dar algumas gargalhadas, ?sobretudo com os comentários de hoje dos protagonistas daquele campeonato. 
Em 10 partes de uma hora cada, The Last Dance (que foi feito a partir das filmagens que uma equipa da ESPN fez) conta a história do ano em que os Bulls quiseram ganhar o sexto campeonato. E logo nos primeiros episódios explica o título que traz à cabeça.
No primeiro dia daquela temporada, quando os jogadores chegaram ao balneário, o treinador tinha escrito no quadro: "A última dança." Já todos sabiam que aquele seria o último ano de Phil Jackson como treinador dos Chicago Bulls e que, assim, esse seria também o último ano de Michael Jordan na equipa ("Eu tinha praticamente casado com ele", disse ao Morning Show). O que não sabiam, embora suspeitassem, era que Phil ia querer fazer daquele ano um ano muito especial. 
A administração tinha permitido que uma equipa de filmagens acompanhasse o trajeto dos Bulls. Mas a administração era parte do problema - senão todo o problema — e se as imagens não o demonstrassem, o documentário põe dezenas de envolvidos a comentá-las. 
As tensões entre o diretor-geral dos Chicago Bulls, Jerry Krause, e o treinador da equipa, Phil Jackson, estão no centro da história mas, claro, a forma co- mo Michael Jordan explodia, pa- ra o bem e para o mal, no meio disso é o que fará milhões de pessoas carregarem no play. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
A Newsletter Semanal Gps no seu e-mail
A GPS indica-lhe as melhores sugestões de fim de semana. Receba todas as semanas no seu email. (Enviada semanalmente)