Crítica de música: Saba - Care for Me

"Ao segundo disco e apenas com 23 anos, Saba manipula sonoridades como poucos. Cada sentimento, expressão é trabalhado ao pormenor e nada parece escapar a uma astúcia musical quase instintiva", escreve Filipe Lamelas

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 13 a 19 de janeiro
As mais lidas GPS
Filipe Lamelas 20 de maio de 2018

O hip-hop tem tudo a ver com as raízes. Se houvesse uma Denominação de Origem Protegida (DOP) para este género, quanto mais entranhado nas franjas, na periferia, nas vivências entre a prisão da grande cidade e o escape do subúrbio, mais puro seria o produto. Na maioria dos casos, o hip-hop surge da contemplação de quem nada ou pouco tem. No entanto, por vezes, transcende essa dimensão e torna-se numa expressão musical, de cariz mais ou menos poético, de alguém desajustado ou, pelo menos, com um sentido de justiça mais aguçado. É neste último plano que se encaixa, ou pelo menos encaixava, Kanye West - e onde Saba também se move.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
A Newsletter As Mais Lidas no seu e-mail
Às Sextas-Feiras não perca as notícias mais lidas da semana