João Salaviza e Renée Nader Messora falam do novo filme

Entrevista à dupla de realizadores sobre Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, filme rodado a dois, sem equipa técnica, durante nove meses, em terras indígenas do Norte do Brasil e que é uma ficção sobre a realidade dos índios krahô

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas GPS
João Salaviza e Renée Nader Messora falam do novo filme
Markus Almeida 18 de março de 2019

Disseram-lhes que não era possível duas pessoas sozinhas fazerem um filme no mato e que não era possível filmar em 16 mm, estando a milhares de quilómetros do laboratório de São Paulo onde a película seria tratada. "Afinal, o que nos diziam ser impossível, não só se revelou viável como tornou tudo muito mais rico, mais próximo da realidade", explica João Salaviza, sentado num dos sofás do Cinema São Jorge, em Lisboa, sobre Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, estreado a 14 de março, depois de ter passado por mais 50 festivais internacionais, incluindo Cannes, onde recebeu o prémio especial do júri Un Certain Regard.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
A Newsletter Semanal Gps no seu e-mail
A GPS indica-lhe as melhores sugestões de fim de semana. Receba todas as semanas no seu email. (Enviada semanalmente)