Crítica de cinema: Chama-me Pelo Teu Nome

"A verdadeira essência do filme - se quiserem, a sua mais profunda honestidade "espiritual" - é o papel do desejo", escreveu o crítico Pedro Marta Santos

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas GPS
Crítica de cinema: Chama-me Pelo Teu Nome
Pedro Marta Santos 23 de janeiro de 2018
Chama-me pelo teu nome
Chama-me pelo teu nome D.R.

Chama-me Pelo Teu Nome é um filme extraordinário, o melhor do siciliano Luca Guadagnino depois da obra-prima Eu Sou o Amor. Mas a sua singularidade pouco tem a ver com o facto de retratar uma paixão homossexual, durante o Verão de 1983, numa mansão do século XVII na Lombardia, entre Elio (Timothée Chalamet), o filho de 17 anos de uma tradutora de alemão e de um catedrático de cultura greco-romana, e o assistente deste, o norte-americano Oliver (Armie Hammer), de 24 anos, ali para completar a escrita da tese.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
A Newsletter Semanal Gps no seu e-mail
A GPS indica-lhe as melhores sugestões de fim de semana. Receba todas as semanas no seu email. (Enviada semanalmente)