C-Studio
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Sugestões de vinhos para a ceia de Natal

Estas são as propostas da Casa Ermelinda Freitas e da Ermelinda Vinhos de Portugal para a época natalícia. “As mulheres fizeram a diferença na gestão da Casa Ermelinda Freitas e tudo indica que será uma mulher a gerir, no futuro, a nossa casa”, diz Leonor Freitas, atual proprietária e sócia-gerente desta casa.

Leonor Freitas, sócia-gerente da Casa Ermelinda Freitas, transformou a pequena empresa de vinhos a granel da família numa das maiores vitivinícolas da Península de Setúbal
Leonor e Joana Freitas, a quarta e a quinta gerações de mulheres à frente do destino da empresa
A adega da Casa Ermelinda Freitas fica à beira da maior vinha da empresa, em Fernando Pó, na Península de Setúbal
A adega da Casa Ermelinda Freitas fica à beira da maior vinha da empresa, em Fernando Pó, na Península de Setúbal
04 Dezembro 2020 13:27

O Natal é sempre uma época de paz, de reunião com a família mais próxima, de calor humano e de bons sabores à mesa. Mesmo em tempos de pandemia, em que as festas deverão ser mais íntimas e reduzidas aos que vivem em cada lar e as conversas com os outros poderão ser apenas virtuais, é tempo de viver os momentos únicos de mesa desta época, com os comeres natalícios na companhia dos seus melhores parceiros vínicos. Estas são as propostas da Casa Ermelinda Freitas e da Ermelinda Vinhos de Portugal para a época natalícia.






Dona Ermelinda Reserva Branco

Vinho de cor amarelo-esverdeada e aroma fresco e intenso com notas de frutos doces e algum citrino, bem integradas com as da madeira onde estagiou, este branco é cheio e cremoso na boca, onde tem final elegante e persistente. É ideal para acompanhar o bacalhau tradicional de Natal ou o polvo cozido, na companhia de ovos, batatas e couve-portuguesa. Temperatura ideal de consumo: 12-14 ºC. PVP: €9,99.




Azeite da Quinta de Canivães

Há quem não dispense o alho fatiado, um pouco de pimenta ou colorau no bacalhau ou no polvo cozidos da ceia de Natal. Mas o que não pode faltar mesmo é um bom azeite, que acrescente textura ao prato e aromas e sabores apetitosos. É o caso deste azeite da Quinta de Canivães, propriedade da Casa Ermelinda Freitas, situada no Douro Superior, fresco e equilibrado, com aromas jovens em que se salientam as notas de alfarroba e frutos secos. PVP: €5,99.






Dona Ermelinda Reserva Tinto

Sugerimos este vinho para o peru assado com creme de castanhas, um tinto de aroma intenso e doce a lembrar frutos pretos, especiarias e fumo, denso e cheio na boca e de final longo e agradável. Sirva-o a 16-18 ºC. PVP: €8,99.




Casa Ermelinda Freitas Espumante Bruto Branco

Se decidir optar pelo leitão assado à moda da Bairrada ou à moda de Negrais, nada melhor que o Espumante Bruto Branco Casa Ermelinda Freitas servido, no copo, entre os 8 e os 10 ºC. O seu aroma frutado, a lembrar citrinos e frutos tropicais, e a sua acidez balanceada e fina equilibram na perfeição a gordura e os sabores do leitão. PVP: €6,99.






Terras do Pó Reserva Tinto

Para o borrego ou porco assados com legumes e batata cozida, outros dois pratos tradicionais da época e do tempo frio, recomenda-se o Terras do Pó Reserva Tinto, um vinho de final de boca longo e persistente, rico em taninos de muito boa qualidade, cheio, elegante e complexo, mas muito suave. PVP: €7,99.




Dona Ermelinda Grande Reserva Tinto

Se o prato de carne for antes cabrito assado, comida de aromas fortes e intensos, sugere-se o Dona Ermelinda Grande Reserva Tinto, um vinho denso, cheio, com grande estrutura, taninos presentes bem integrados e final longo e persistente. Raro e único, é um tinto apenas produzido em anos de qualidade excecional. PVP: €25.





Os Moscatéis de Setúbal da casa

O Moscatel de Setúbal é um vinho único, com características que o distinguem de todos os outros, que são produzidos noutras regiões de Portugal e do mundo. É um dos produtos mais característicos da Península de Setúbal e faz também parte do portefólio desta casa, que a sugere para companhia do final da refeição, para acompanhar sobremesas doces de colher, tortas e bolos, como aqueles que enchem as mesas de Natal das famílias portuguesas nesta época do ano.








Moscatel de Setúbal Superior Roxo

As fatias douradas e as filhoses ou sonhos harmonizam bem com o Moscatel de Setúbal Superior Roxo Casa Ermelinda Freitas, vinho único e raro, com aroma a lembrar frutos secos, como avelãs, nozes e algumas especiarias. Na boca, é muito harmonioso, com excelente combinação entre doçura e frescura, que lhe confere um final bastante complexo e prolongado. PVP: €29,99.




Moscatel de Setúbal

As azevias combinam bem com o Moscatel de Setúbal Casa Ermelinda Freitas, vinho de cor dourada, rico e complexo, com aromas a lembrar mel e casca de laranja cristalizada. Na boca, é cheio e doce, revelando boa acidez que lhe confere frescura. PVP: €7,99.



Estas são as sugestões da Casa Ermelinda Freitas para o Natal de 2020. Esperamos que ajudem a tornar o vosso ainda mais especial, e que todos se mantenham, onde estiverem, confortáveis, felizes e em paz.




Bom apetite e melhores degustações!

Feliz Natal…

Leonor Freitas



A Casa Ermelinda Freitas faz 100 anos. Empresa familiar, cujos destinos têm sido comandados essencialmente por mulheres, é gerida atualmente por Leonor Freitas, coadjuvada por Joana Freitas, a sua filha. São cinco gerações de mulheres à frente dos destinos da empresa agrícola fundada por Leonilde Assunção em 1920, na freguesia de Fernão Pó, concelho de Palmela. A gestão feminina manteve-se pelas mãos de Germana Freitas, a avó da presente proprietária, e depois pela mãe, Ermelinda, que deu o nome atual à empresa. E sente-se na forma afetiva como Leonor trata de tudo o que faz.



O que é, hoje, a Casa Ermelinda Freitas?

A Casa Ermelinda Freitas é o resultado de muito trabalho de cinco gerações da família, incluindo os meus filhos. É uma família simples, honesta, trabalhadora, com grandes valores sociais e morais, que me foram transmitidos pelas gerações anteriores. Foram as mulheres a fazer a diferença na gestão da Casa Ermelinda Freitas e tudo indica que será uma mulher a gerir, no futuro, a nossa casa, mas apenas porque as pessoas certas devem desempenhar os trabalhos certos.

É uma alegria enorme ter conseguido dar continuidade ao trabalho das gerações passadas. Quando cá cheguei, havia 60 hectares de vinha e agora são 550. Havia, na vinha, apenas duas castas e agora são 31. A adega tradicional, apropriada para a produção de vinhos a granel, foi transformada num centro de vinificação moderno, completo, com uma grande área de estágio de vinhos em madeira e uma capacidade de produção para 21 milhões de litros de vinho. Deixámos de ser uma empresa de venda de vinho a granel e hoje colocamos, no mercado, milhões de garrafas de vinho e de outros formatos de um portefólio vasto e variado, com destaque para as marcas Dona Ermelinda, Quinta da Mimosa, Terras do Pó, Dom Campos, etc. Não há dúvida de que temos tido muito trabalho, mas também estamos a ser bem compensados pelo nosso esforço.



Quais foram as principais medidas tomadas pela empresa para atenuar os efeitos da pandemia na equipa?

Em ano de pandemia, a Casa Ermelinda Freitas criou medidas para evitar a contaminação dos seus colaboradores, incentivando, também, cada um deles serem os agentes da sua própria saúde e de todos os que os rodeiam. Por enquanto ainda não tivemos nenhum caso de contaminação, o que nos ajudou, a todos, a manter-nos nos nossos postos de trabalho e a não necessitar de ir para lay-off, com o apoio, é evidente, dos consumidores que continuam a comprar os nossos vinhos.

Este é o ano em que a nossa empresa comemora 100 anos de vida. É um tempo de celebração que teve de ser adiado, e que será, para nós, um ano símbolo da nossa capacidade de luta pela sobrevivência e pela vida humana, mas também de resolução de problemas, de perseverança e empenho naquilo que fazemos. Queremos, sobretudo, a segurança dos nossos funcionários, amigos e consumidores. Queremos que todos estejam bem e que se preservem.



O museu da empresa conta a sua história e a da família que a tem gerido nos últimos 100 anos
A zona de vinificação da adega da empresa tem capacidade para 21 milhões de litros de vinho
A vinha atual tem 550 hectares e 31 castas nacionais e estrangeiras


Quais foram os principais sucessos este ano?

A Casa Ermelinda Freitas já obteve cerca de 200 medalhas em concursos nacionais e internacionais em 2020. Estamos, até agora, perante o melhor ano de sempre no que toca a prémios e distinções.

Entre elas destaco as 15 medalhas no Concurso Mundial de Bruxelas (CMB) de 2020, que se realizou no início de setembro em Brno, na República Checa, e saliento a Grande Medalha de Ouro obtida pelo RockSand Shiraz 2018, distinção alcançada por menos de 1% dos vinhos a concurso.

Destaque para o prémio de Best Of Show Península de Setúbal, atribuído ao vinho Vinha da Fava Touriga Nacional 2018 no concurso Mundus Vini 2020 – Edição verão, no qual a empresa alcançou nove medalhas de ouro e duas de prata. Também para as três ProdExpo Star alcançadas pelas referências Vinha da Valentina Reserva Signature, Vinha do Fava Touriga Nacional 2018 e Valoroso Chardonnay 2018, na competição realizada durante a feira ProdExpo 2020, que decorre anualmente na Rússia.

No XX Concurso de Vinhos da Península de Setúbal, o Casa Ermelinda Freitas Moscatel Superior de Setúbal Roxo 2010 recebeu as distinções de O Melhor Vinho e de O Melhor Vinho Generoso. O Dona Ermelinda Branco Reserva 2018 foi considerado O Melhor Vinho Branco.

No início deste ano, a empresa já tinha sido eleita Produtor Europeu 2020 no Sommelier Wine Awards, em Inglaterra, pelo segundo ano consecutivo. A competição premeia os melhores vinhos disponíveis nos restaurantes, bares e hotéis do Reino Unido, selecionados por um júri de 150 escanções.

É a primeira vez que esta distinção é atribuída duas vezes consecutivas a um produtor de vinhos tranquilos português. No evento, a Casa Ermelinda Freitas conquistou 12 medalhas, entre as quais quatro de ouro, seis de prata e duas de bronze. A grande novidade foi o ouro alcançado pelo vinho Campos do Minho, do nosso projeto mais recente, a Quinta do Minho, na Região dos Vinhos Verdes. Esta distinção recompensa o empenho de toda a equipa e mostra, mais uma vez, que estamos no caminho certo. Tantas e tão grandes honrosas distinções atribuídas aos vinhos da Casa Ermelinda Freitas provam a grande qualidade destes, que procuramos pôr no mercado ao melhor preço.



Como é que está a correr o mercado de exportação?

Estamos a ver como evolui o mercado na situação atual de pandemia que estamos a enfrentar, mas, até agora, estamos a crescer no que diz respeito à exportação.

Estamos atualmente em várias dezenas de países de todo o mundo, para onde estamos a exportar cerca de 40% da nossa produção. Mas ainda estamos longe de atingir os nossos objetivos, pois queremos ter uma posição mais abrangente no mercado internacional. Estamos, para além da Europa, no continente americano, em África e na Ásia, mas queremos estar num leque de mercados o mais abrangente possível e na mesa de todos os consumidores que gostam de vinho. Recentemente entrámos em Taiwan, na Nigéria e no Gana.



Como é que decorreu a vindima este ano?

Temos novas vinhas a produzir e também adquirimos uvas a mais produtores da região. Este ano a qualidade média das uvas que chegaram à adega foi muito boa, o que se vai sentir na qualidade dos próximos vinhos que iremos pôr no mercado.



Quais foram os passos mais marcantes da sua vida?

Um dos mais marcantes foi a minha saída de Fernando Pó para estudar. Outro foi o dia em que voltei, depois de 20 anos de trabalho como técnica superior da Função Pública, no Ministério da Saúde, numa área completamente diferente da do setor vitivinícola. Tudo isso levou, em conjunto com contingências do negócio, à criação posterior de uma marca própria.

Foi assim que a casa passou a ser reconhecida a nível nacional e internacional, em conjunto, é claro, com todo o trabalho realizado pela equipa, desde a vinha à adega, na produção de vinhos de qualidade, que pudessem ser reconhecidos pelos consumidores e pela crítica. Saliento, também, todo o trabalho comercial e de comunicação, feito cá e lá fora, para sustentar, não só o reconhecimento da empresa e dos seus vinhos, mas também as vendas da empresa.





Como serão os próximos 100 anos da Casa Ermelinda Freitas?

Este é um tempo difícil para fazer uma perspetiva do futuro com base em dados económicos e de mercado. A crise atual veio lembrar que há sempre algo inesperado que pode acontecer, que pode mudar os nossos planos e objetivos. O sucesso do trabalho que fizemos, até agora, para atenuar os efeitos da pandemia e a resposta do mercado e dos consumidores demonstram que a Casa Ermelinda Freitas e as suas pessoas são capazes de arredondar os espinhos do caminho. Por isso, acredito que irão enfrentar e superar os desafios futuros, e tornar a empresa ainda mais viva e ativa. Espero que o espírito dos nossos novos colaboradores se mantenha motivado e empenhado, e que os nossos novos consumidores continuem a preferir os vinhos da Casa Ermelinda Freitas daqui a 100 anos.




Douro e Vinhos Verdes

A Casa Ermelinda Freitas estendeu a sua atividade à região do Douro, com a aquisição da Quinta de Canivães, perto de Foz Coa, em 2018, e da Quinta do Minho, próxima da Póvoa de Lanhoso, na Região dos Vinhos Verdes, um pouco mais tarde. “Quando visito a região do Douro como turista, sinto a emoção do trabalho que se realiza naquelas terras e nas suas vinhas há centenas de anos”, conta Leonor Freitas, acrescentando que sempre teve vontade de “ter ali um pedaço de vinha”. O investimento, um sonho que foi sendo adiado por motivos económicos, foi realizado recentemente. Para a empresária, “trabalhar no Douro é um desafio que me agrada muito”. Os vinhos lá produzidos, com o apoio do enólogo Jaime Quendera, encontram-se a estagiar, à espera do momento certo para serem lançados no mercado.

O investimento no Minho foi uma oportunidade mais recente. Leonor Freitas revela já estar apaixonada pela região, depois de ter “sentido a alegria de provar” os seus vinhos verdes, que já alcançaram diversos prémios a nível internacional e estão à venda nas grandes superfícies.




Um ano inesquecível

Era para o ser, porque era o do centenário, aquele em que seriam comemorados os 100 anos da fundação da empresa. Tudo estava pronto, com os eventos programados para tornar 2020 num ano memorável para todos os que se relacionam com a empresa, incluindo as suas pessoas e os seus clientes. Mas tudo teve de ser adiado devido à pandemia de Covid-19, que vai fazer lembrar o ano atual como aquele em que tudo mudou. Pelo inesperado, pela incapacidade de resolução nos primeiros momentos, pelo impacto na sociedade e na economia, pela forma como afetou a humanidade e tem contribuído para alterar comportamentos em apenas meia dúzia de meses. Felizmente, a resolução do problema parece estar a caminho e o próximo ano será certamente melhor. É no próximo ano que se espera que a economia retome o seu rumo, para que a Casa Ermelinda Freitas possa realizar as comemorações previstas para os 100 anos da empresa. “Esperamos que seja o nosso ano de festejar a saúde de todos e os projetos adiados”, diz Leonor Freitas.




Quem é Leonor Freitas?

A proprietária e gestora da Casa Ermelinda Freitas é da terra. Nasceu e cresceu em Fernão Pó, onde fez a escola primária. Completou, depois, o resto dos estudos em colégios internos, pois os pais queriam que ela tivesse uma vida melhor, fora do mundo rural. Só vinha a casa aos fins de semana e nas férias.

Tirou mais tarde o curso de Serviço Social no Instituto Superior de Serviço Social, no Largo do Mitelo, em Lisboa, e trabalhou durante mais de 20 anos no Ministério da Saúde, no qual se dedicou em particular a áreas como a da prevenção contra o alcoolismo e das toxicodependências, etc. Não pensava voltar de novo ao mundo rural mas, no final da década de 90, o pai faleceu de repente e a mãe não tinha condições para levar o negócio para a frente sozinha. “É, por isso, que estou aqui e existe, hoje, a Casa Ermelinda Freitas”, explica a empresária, contando que voltou há mais de 20 anos.