Gatos e cães podem apanhar coronavírus. Mas não o transmitem a humanos

Um novo estudo revela que animais de estimação podem apanhar o vírus, mas raramente adoecem. Não ficou provado se o conseguem transmitir a seres humanos.
Por Diogo Barreto / SÁBADO 1 de Outubro de 2020 às 13:41

O novo coronavírus não afeta apenas seres humanos. Um novo estudo revela que cães e gatos também podem ser infetados, mas nenhum deles adoece devido à SARS-CoV-2, ao contrário dos seus donos. O que o estudo também descobriu foi que os gatos desenvolvem uma resposta imunitária forte ao vírus além de transmitirem o vírus a outros gatos.

Até ao momento, nenhum estudo científico conseguiu perceber se é possível verificar-se uma transmissão de vírus entre animais de estimação e humanos. Mas este novo relatório refere que há provas de que os gatos espalham o SARS-CoV-2 e que podem infetar outros animais. 

Já os cães não produziram o vírus no sistema respiratório superior e não o espalharam de todo, segundo este estado, apesar de haver outras pesquisas contraditórias.

Um dos motivos que pode explicar o porquê de, apesar de espalharem o vírus, os gatos não infetarem pessoas relaciona-se com o facto de estarem a ser os donos a transmitirem o coronavírus aos gatos, estando eles já infetados. 

Os autores referem ainda que em laboratório pode ter sido mais fácil os gatos serem infetados, porque recebiam mesmo doses do vírus para que os cientistas pudessem estudar a sua resposta imune. Uma pipeta com amostras de SARS-CoV-2 era introduzida nas narinas dos animais. Numa casa, dificilmente isto aconteceria. 

Os autores do estudo lembram que apesar dos milhões de casos detetados em todo o mundo em humanos, o SARS-CoV-2 foi detetado em muitos poucos animais de companhia. 

No entanto, um dos médicos afirma que é possível que muitos animais estejam infetados sem que os donos se apercebam, já que não apresentam sintomas.

Os casos conhecidos 

Foram divulgados relatos de alguns animais infetados desde março: um cão em Hong-Kong, gatos na China e na Bélgica  ou um tigre num jardim zoológico norte-americano, mas nenhum exibiu sintomas preocupantes. Apenas o gato e o tigre demonstraram sintomas ligeiros que podem ser associados à covid-19, como dificuldades respiratórias e tosse seca persistente.

Foi apenas possível demonstrar ou que estavam infetados com o SARS-CoV-2, com resultados de testes laboratoriais que mostravam sempre uma baixa carga de vírus, ou que tinham desenvolvido os anticorpos contra este vírus.

Os felinos e cães anunciados como infetados conviviam estreitamente com pessoas doentes com covid-19.

Cientistas da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, descobriram que um furão exposto a partículas do novo coronavírus desenvolveu febre alta, o que pode ser considerado um avanço para testar vacinas em animais.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Notícias Recomendadas
Saúde de A a Z

Iniciativas na luta contra o cancro da mama que fazem a diferença

Outubro é o mês de sensibilização na Luta Contra o Cancro da Mama. Juntámos algumas iniciativas para apoiar uma a prevenção, o diagnóstico e o tratamento de uma doença que é de todos, pois afeta homens e mulheres, e em última instância as famílias.

Marketing Automation certified by E-GOI

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A.
Consulte a Política de Privacidade Cofina.