Sabia que a retina pode facilitar o diagnóstico da doença de Alzheimer? Descubra como

Doença representa cerca de 60 a 70% dos casos de demência.
Por Lusa 13 de Janeiro de 2020 às 10:54
Alzheimer
Alzheimer
Alzheimer
Alzheimer
Um estudo desenvolvido por uma equipa multidisciplinar da Faculdade de Medicina de Coimbra demonstrou que a retina pode facilitar o diagnóstico precoce da doença de Alzheimer, anunciou esta segunda-feira a Universidade de Coimbra (UC).

"A retina poderá funcionar como um biomarcador não invasivo relevante para o diagnóstico precoce da doença de Alzheimer", de acordo com um estudo inovador, afirma a UC, numa nota enviada esta segunda-feira à agência Lusa.

A Alzheimer é caracterizada pela "perda gradual e irreversível de determinadas funções cerebrais, como a memória, a atenção e a linguagem", representa cerca de 60 a 70% dos casos de demência, segundo a Organização Mundial de Saúde, e o seu diagnóstico "não é fácil de fazer", sublinha a UC.

Além de exigir vários exames, o diagnóstico é feito, frequentemente, numa fase moderada ou avançada da doença, havendo, por isso, "necessidade urgente de identificar biomarcadores subclínicos que possam ajudar a diagnosticar precocemente o início da doença e de forma confiável".

Uma vez que a retina é um tecido do sistema nervoso central ("tem a mesma origem embrionária que o cérebro") e é considerada uma extensão do cérebro, a equipa de investigadores, coordenada por Francisco Ambrósio, explorou o conceito da "retina como um espelho ou janela para o cérebro", isto é -- explica a UC --, "a retina pode "mostrar" o que acontece no cérebro, no contexto de doença de Alzheimer".

Nesse sentido, foi realizado "um estudo longitudinal, único e inovador, com um modelo animal triplo transgénico da doença de Alzheimer (3×Tg-AD), um murganho que possui três genes humanos com mutações associadas a esta doença neurodegenerativa". Foi também usado um grupo de controlo (murganhos saudáveis).

Em cada um dos períodos de vida do modelo animal (com uma esperança média de vida de dois anos), os investigadores efetuaram testes em que avaliaram a estrutura e a função da retina, assim como a estrutura cerebral.

Os resultados, já publicados na Alzheimers Research & Therapy -- "uma das principais revistas internacionais" na área das neurociências e da neurologia clínica -- indicam "a existência de alterações estruturais e funcionais na retina e alterações estruturais no córtex visual do modelo animal 3×Tg-AD", afirma o líder do estudo.

"Estas alterações neurais poderão ser usadas como um biomarcador adicional para o diagnóstico precoce da doença de Alzheimer", salienta.

"Além disso, este trabalho reforça a possibilidade de se usar o olho como uma ferramenta adicional (de modo não invasivo) para o diagnóstico precoce e monitorização terapêutica da doença de Alzheimer", acrescenta, citado pela UC, Francisco Ambrósio.

Notou-se que "a retina, até certo ponto, mimetiza o que acontece no cérebro, isto é, no cérebro há uma redução do volume da estrutura do hipocampo (região do cérebro associada à memória) e do córtex visual, e na retina também ocorre uma redução da sua espessura", explica o investigador.

"Em todas as fases estudadas [4, 8, 12 e 16 meses], observou-se uma redução da espessura das camadas mais internas da retina, o que se correlaciona com a redução do volume do hipocampo e do córtex visual. Esta correlação sugere que se poderá utilizar a retina como mais uma ferramenta para o diagnóstico precoce da doença de Alzheimer", explicita Francisco Ambrósio.

Posteriormente, a equipa de especialistas, constituída também por Miguel Castelo-Branco, Rui Bernardes e Isabel Santana, realizou estudos com humanos, tendo confirmado "a existência de algumas alterações na retina e uma associação positiva entre as alterações no cérebro e na retina", refere Francisco Ambrósio.

Mas, adverte, "para uma validação robusta da possibilidade de se usar a retina como biomarcador, é necessário aumentar o número de doentes".

Mesmo assim, considerando que o diagnóstico precoce é crucial para um tratamento mais eficaz da doença de Alzheimer e que o olho permite realizar testes não invasivos, ao contrário do cérebro, "este trabalho constitui uma abordagem bastante relevante para a prática clínica", sustenta.

"Face aos resultados obtidos, seria interessante que os neurologistas ponderassem a prescrição de testes da retina, por exemplo, uma tomografia de coerência ótica (em inglês, OCT), um exame de rotina rápido e simples e que não é muito dispendioso, que permite avaliar a espessura das camadas da retina, contribuindo assim para a validação do método no diagnóstico precoce da doença de Alzheimer", conclui o Francisco Ambrósio.

Apesar de o estudo se ter focado na Alzheimer, pode ser alargado a outras patologias, como doença de Parkinson e escleroses múltipla e lateral amiotrófica.

O estudo foi realizado no âmbito do projeto "Alterações cerebrais na doença de Alzheimer: a retina como um espelho do início e progressão da doença?", distinguido com o Prémio Mantero Belard e Prémios Santa Casa Neurociências 2015, e é também financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e por fundos europeus (FEDER e COMPETE 2020).

Saiba mais sobre esta doença no guia prático Médico em Casa, todos os dias nas bancas com o Correio da Manhã.

Sintomas 
  • Perda de interesse pelas questões familiares e/ou laborais
  • Ansiedade e depressão
  • Falhas na atenção, distrações constantes que não são encaradas como próprias daquela pessoa. Dificuldade na realização de tarefas habituais
  • Fadiga invulgar ou sem motivo
  • Perda de memória: o paciente não se lembra do que comeu nem do que fez no próprio dia. Pode chegar mesmo a esquecer-se do ano atual ou da sua data de nascimento.
  • Enganos em tarefas realizadas todos os dias, com negação do erro
  • Dificuldade na realização das tarefas mais básicas, como vestir-se
  • Perturbações do sono, apatia e alucinações
  • Alterações na forma de andar
  • Irritabilidade excessiva, agressividade
  • Movimentos que não têm explicação
  • Repetição de uma mesma frase durante a conversa (os pacientes perguntam a mesma coisa várias vezes)

Prevenção
  • Anotar tudo o que deseja recordar (encomendas, compras, datas) num caderno e rever as notas.
  • Ler bastante, utilizar as novas tecnologias, fazer passatempos (palavras cruzadas, sopas de letras, Sudoku) ou os jogos de toda a vida (dominó, cartas).
  • Ver fotografias e indicar o que recorda sobre elas.
  • Manter-se ativo, não se isolar (sair, manter grupos de amigos, frequentar centro de dia ou universidade sénior), fazer passeios e viagens. 

Como se trata
É essencial preservar a dignidade do paciente. Deve estimular-se as competências físicas e mentais da pessoa através de exercícios apropriados. Existem vários fármacos que podem ser usados no tratamento dos sintomas: antidepressivos, antipsicóticos, estabilizadores de humor, benzodiazepinas ou antidemenciais. Estes últimos podem melhorar os sintomas, mas não evitam a evolução da doença.
As intervenções não farmacológicas são mais importantes e assentam em diversas estratégias: intervenções cognitivas/orientadas para as emoções, estimulação sensorial (musicoterapia, massagem, luz); técnicas de controlo comportamental; outras intervenções psicológicas como terapia assistida com animais e exercício. 


Notícias Recomendadas

Marketing Automation certified by E-GOI

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A.
Consulte a Política de Privacidade Cofina.