Sofre de ansiedade? Conheça os sintomas e saiba como prevenir

Há muitos tipos de pessoas ansiosas, mas o que todas têm em comum é viverem em constante estado de alerta.
Por Ana Maria Ribeiro 22 de Junho de 2020 às 07:26
Ansiedade
Ansiedade
A ansiedade é uma doença psicológica tão limitante como uma doença física. Não é tão visível – pelo menos aos olhos dos menos atentos – "mas não pode ser menosprezada nem desvalorizada", diz o psicoterapeuta Pedro Brás, diretor da Clínica da Mente.

"A ansiedade é uma perturbação psicológica que pode ocorrer em qualquer pessoa, de qualquer idade e de qualquer estrato social. Não é seletiva na escolha dos seus alvos", explica, acrescentando que há vários tipos de ansiedade, mas todos têm algo em comum: o medo. "Estas pessoas vivem em constante estado de alerta e agitação, a sua vida é sobressaltada e as suas rotinas são alteradas em função desta condição."

Pedro Brás diz que "nem toda a gente tem sensibilidade para perceber que está perante uma pessoa que sofre de ansiedade". "A ansiedade não se vê, mas sente-se. Contudo, há alguns sinais de alerta que podem ajudar a identificá-la. Pessoas agitadas, inquietas, com tremores e suores, pessoas tensas, a hiperventilar e contraídas, são estereótipos de pessoas que sofrem de ansiedade. Tudo isto são sinais de alerta que nos ajudam a identificar quem, realmente, precisa da nossa ajuda e atenção", afirma o especialista.

A ansiedade não deve ser confundida com a depressão: esta última, apesar de também ser uma perturbação psicológica e emocional, é caracterizada por um sentimento de tristeza e angústia. As pessoas deprimidas vivem num estado introspetivo, apáticas e anímicas.

SINTOMAS
Ter medos irreais
A pessoa ansiosa sente medos que não são reais mas que a limitam na vida do dia-a-dia. Preocupa-se excessivamente com aquilo que os outros pensam sobre ela.

Sofrer por antecipação
O ansioso evita locais ou situações tidas por normais pelas outras pessoas porque se sente desconfortável. Costuma sofrer por antecipação, sem conseguir viver a sua vida de forma plena e satisfatória.

Dores físicas
O doente ansioso chega a sentir dores e pressões físicas. Pode também sentir confusão mental e ficar apático perante a sua vida quotidiana. Tem pensamentos repetitivos que não consegue ultrapassar.

Falta de equilíbrio
Um ansioso sente que está sempre acelerado – até nas situações mais calmas do quotidiano. Não consegue sentir que atingiu o equilíbrio entre o corpo e a mente.

Perturbações do sono
Alguém que sofre de ansiedade tem normalmente dificuldade em adormecer à noite. Também pode acordar várias vezes durante o sono.

PREVENÇÃO
Quebrar com o tabu
Ainda há um grande estigma e tabu em falar sobre a saúde mental, mas o primeiro passo a tomar é assumir que se tem um problema, em vez de fazer de conta que tudo está bem.

Uma sociedade ansiosa
Vivemos tempos acelerados, ativos, dinâmicos. Isso obriga-nos a ser mais reativos e produtivos. É preciso contrabalançar com tempo de lazer.

Pais que hiperprotegem
Alguns pais tendem a dar aos filhos uma educação demasiado protetora, que também pode contribuir para que estes não estejam tão aptos a lidar com as adversidades da vida.

Conta, peso e medida
Todos sentimos ansiedade. É preciso estar atento para que a situação não passe da normalidade para algo patológico.

COMO SE TRATA
Apesar de muita gente optar por recorrer aos fármacos, Pedro Brás prefere a via terapêutica. "A ansiedade tem sempre uma causa, causa essa que é preciso identificar e resolver. Durante a nossa vida passamos por vários eventos, alguns negativos e até traumáticos, que nos podem marcar, perturbar e condicionar para o resto das nossas vidas. A função da psicoterapia é, junto da pessoa, ajudá-la a identificar a causa real do problema e ensiná-la a usar as suas ferramentas para gerir essa emoção e dissociá-la de sentimentos negativos".

O MEU CASO
"Tomar medicação foi a solução"
"Sempre fui ansiosa, mas tudo se tornou insuportável quando houve uma doença grave na minha família", recorda Sandra. "Pedi ajuda a um psiquiatra e os medicamentos ajudaram-me a encontrar o equilíbrio emocional".
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Família

De amantes a amigos

Na altura em que o ‘até que a morte nos separe’ dá lugar ao ‘enquanto o amor durar’, nasce uma nova forma de separação. Aqui, o ex passa de amante a amigo, aliado numa relação que se recicla e reinventa.

Marketing Automation certified by E-GOI

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A.
Consulte a Política de Privacidade Cofina.