"Prepara-nos para situações limite": especialista realça vantagens de quarentena forçada

Proximidade com a família e comodidade podem ser fatores encarados com positivismo.
Por Vanessa Fidalgo 12 de Abril de 2020 às 09:44
Marta Martins Leite
Marta Martins Leite

O 3º período vai ser feito à distância para milhares de crianças. A nova realidade traz vantagens e desvantagens para as famílias.

CM - Quais as vantagens e desvantagens do ensino à distância?
- As vantagens são a proximidade com a família, a comodidade de aprender em casa e ter mais tempo para usufruir do uso dos computadores com fins educativos e não apenas o uso dos telefones ou tablets. A desvantagem é que nem todos têm acesso a computador ou internet em casa. Ou o facto de a ajuda dos pais potenciar notas mais altas do que as que teriam na realidade.

- Que desafios adicionais têm os pais?
- É um desafio extremo, sobretudo para quem está em teletrabalho e tenha mais do que um filho e que a isto ainda acresça a necessidade de utilizar o mesmo espaço e os mesmos equipamentos. Os mais novos não conseguem realizar as atividades sozinhos e necessitam da ajuda de um adulto. Contudo, nem todos os pais têm a capacidade ou os conhecimentos necessários para acompanharem as matérias letivas e apoiarem o estudo dos filhos. As amizades, as brincadeiras… O que estão os nossos filhos a perder por não poderem estar com os colegas? A capacidade de desenvolvimento da relação com o outro, a autonomia, o desenvolvimento das emoções, da linguagem, e diria ainda, que em muitos casos, estão privados do desenvolvimento do pensamento e da capacidade de raciocínio. Mas a Covid-19 também pode ser encarada como uma oportunidade para a tomada de consciência de que catástrofes e imprevistos acontecem, que temos de estar preparados para situações limite e para ser solidários com os outros!

O MEU CASO
Família Pinto, confinada na Amadora
"Sentem a falta dos primos"
Em Vila Chã, na Amadora, a Páscoa da família Pinto vai ser diferente este ano. Lá em casa, este ano serão só quatro: Suguey e Bruno e as duas filhas, Leonor e Madalena, de 10 e 8 anos.

"Costumamos fazer sempre uma reunião com a família e passar a quadra com os meus sogros, pais, cunhados, irmãos, sobrinhos e este ano não vai ser possível. Para a Madalena e para a Leonor vai ser mesmo mais difícil porque elas adoram estar rodeadas de pessoas. Sentem a  falta dos primos. Mais do que ir à rua vai custar-lhes estarem afastadas das pessoas de quem mais gostam", lamenta Suguey. Para compensar, vai haver igualmente mesa farta. Desde sexta-feira que já se preparam "uns docinhos" para a festa. Arranjar os ingredientes até nem foi difícil.

"O Bruno é que tem ido fazer as compras, mas só uma vez por semana. Tentámos fazer pela internet mas não conseguimos. Os tempos de entrega são muito longos", relata.

As aulas à distância, que arrancam já esta semana, é que é uma questão mais perturbadora. "Têm estado a fazer os trabalhos que os professores mandam pelo email e eu revejo, mas não é fácil porque são duas e matérias diferentes. Já me disseram que vai ser em horas diferentes, o que seria ótimo para quem tem mais do que um filho. Sempre é melhor isto do que estarem parados e sem qualquer tipo de atividade. A vida é feita de experiências".

Para o regresso à vida normal já há planos: "Ir dar uma volta à praia, sentir a liberdade! Mas também acho que, no início, vamos um bocado a medo".

Relacionadas
Notícias Recomendadas
Coronavírus

Mutações podem tornar a Covid-19 mais perigosa?

O novo coronavírus está a mudar em todo o mundo, Portugal incluído. E a mudança de material genético não é necessariamente má: ajuda a conhecer de onde veio o vírus, para onde vai, com que rapidez muda e se está a mudar para melhor, ou pior.

Marketing Automation certified by E-GOI

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A.
Consulte a Política de Privacidade Cofina.