"Covid-19 nas crianças tem sido ligeira": Pediatra explica doença de Kawasaki

Ainda não foi cientificamente confirmada a associação de Covid-19 à Doença de Kawasaki.
Por Vanessa Fidalgo 19 de Maio de 2020 às 08:38
O médico José Aparício
O médico José Aparício Foto: Direitos Reservados

A Doença de Kawasaki é uma vasculite febril aguda e afeta principalmente crianças com menos de 5 anos. A DK é a causa mais frequente de cardiopatia adquirida na criança.

– As autoridades de saúde de alguns países admitiram como possível a relação entre a infeção pelo SARS-CoV-2 e a doença de Kawasaki em crianças. Até que ponto o alarme é para levar a sério?

– Durante a pandemia de Covid-19 surgiram crianças gravemente doentes com clínica de DK, só que nem todas as crianças eram positivas para SARS-CoV-2. Deve haver prudência na causalidade destes quadros graves pediátricos pois quer a DK quer a infeção Covid-19 cursam com resposta inflamatória exagerada e por isso é difícil de separar estas entidades nas suas formas graves. Os pediatras devem ajudar as famílias a perceber que a Covid-19 nas crianças tem sido, na grande generalidade dos casos, uma doença benigna e ligeira, cuja associação à DK não foi ainda cientificamente confirmada.

– O que se sabe desta doença?
– Foi inicialmente descrita no Japão por Tomisaku Kawasaki em 1967 e hoje está descrita em todo o Mundo. A prevalência por 100 mil crianças é de 300 no Japão, 25 nos EUA e 4,5 no Reino Unido, afetando mais rapazes. Ainda não se encontrou a causa, mas parece haver uma predisposição genética e há uma associação a doença respiratória recente, infeções bacterianas, hospitalização nos primeiros meses de vida, eczema, idade materna avançada, colonização materna com estreptococo do Grupo B, uso de humidificadores, habitações junto a reservatórios de água, ventos troposféricos da China que atingem Japão, Havai e Califórnia.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Deixou de fazer exercício físico e agora?

Começou com uma semana que depressa se tornou num mês e, quando deu por si, já não treinava há um ano. Pensava mesmo que o seu corpo não ia dar conta? Um especialista explica o que acontece física e mentalmente quando deixamos de nos exercitar regularmente. E avança com soluções para voltar à boa forma.