Teletrabalho, menos atividade física e mais stress: Confinamento provoca aumento das queixas na coluna

Restrições de deslocações e fecho de ginásios levou ao aumento de problemas na coluna vertebral.
Por Edgar Nascimento 15 de Abril de 2021 às 01:30
Trabalhador em teletrabalho
Trabalhador em teletrabalho

O confinamento, conjugado com teletrabalho, menor atividade física e mais stress, levou a um aumento de problemas e de queixas relacionadas com a coluna.

"O confinamento imposto pela pandemia gerou queixas de dores na coluna em doentes que anteriormente não tinham problemas ou o agravamento naqueles que já possuíam alguma patologia", explica ao CM Luís Teixeira, ortopedista e cirurgião da coluna e diretor clínico do Spine Center.

O especialista justifica: "O sedentarismo, motivado pelas restrições de deslocação e pelo encerramento de ginásios, aumenta as contraturas musculares paravertebrais, diminui a elasticidade da coluna vertebral e condiciona uma atrofia progressiva dos músculos do tronco", levando ao aumento da dor e incapacidade funcional.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

E se pudesse reiniciar o cérebro? Os conselhos de um neurologista

O cérebro humano está a ser gravemente manipulado pelos estímulos da tecnologia e as consequências refletem-se em comportamentos que nos deixam cada vez mais doentes. Em Limpeza Cerebral, o recém lançado livro do neurologista David Perlmutter e do médico internista Austin Perlmutter, reúnem-se técnicas para combater esta realidade.