Tratamento inovador à próstata preserva vida sexual

Já foram tratados quase 1300 doentes com esta técnica. Um terço são estrangeiros.
Por Cláudia Machado 22 de Outubro de 2017 às 01:30
próstata, tratamento, cancro, doentes, vida sexual
próstata, tratamento, cancro, doentes, vida sexual
próstata, tratamento, cancro, doentes, vida sexual
próstata, tratamento, cancro, doentes, vida sexual
próstata, tratamento, cancro, doentes, vida sexual
próstata, tratamento, cancro, doentes, vida sexual
próstata, tratamento, cancro, doentes, vida sexual
próstata, tratamento, cancro, doentes, vida sexual
Deitado na maca, o sueco Ola Kraft, de 61 anos, garante que não sente nada. "Estou ótimo", assegura, ao mesmo tempo que a equipa do Hospital St. Louis, em Lisboa, lhe reduz o tamanho da próstata através de uma técnica minimamente invasiva, com um baixo risco de complicações como a disfunção sexual ou a incontinência urinária.

Chama-se embolização das artérias prostáticas e já foi aplicada em quase 1300 doentes em Portugal. Um terço são estrangeiros. O empresário sueco é precisamente um exemplo da procura que esta técnica tem além-fronteiras.

"O meu urologista, na Suécia, disse-me que precisava de cirurgia, mas percebi que era muito invasiva e poderia afetar a minha vida sexual. Comecei a pesquisar e encontrei artigos sobre este procedimento em Portugal. Quando decidi avançar, pareceu-me óbvio que fosse aqui", afirma Ola Kraft.

Com uma próstata de 130 gramas, quando os valores considerados normais vão até aos 35, já apresentava graves complicações. "Deixei de conseguir urinar e tinha de usar um cateter", explica o empresário, lamentando que o tratamento "não seja mais divulgado e praticado noutros países".

Doença afeta metade dos homens a partir dos 50 anos
A hiperplasia benigna da próstata "afeta metade dos homens a partir dos 50 anos de idade". Uma realidade que aumenta com o envelhecimento: "A partir dos 80 anos, cerca de 90% dos doentes pode ter sintomas", explica João Martins Pisco, especialista em radiologia de intervenção.

Este problema traduz-se num aumento benigno do volume da próstata, que pode acabar por obstruir a uretra. Os sintomas mais comuns passam por "um fluxo urinário baixo, com jatos fracos ou interrompidos", assim como pela necessidade de urinar que interrompe constantemente o sono.

A sensação de não ter esvaziado completamente a bexiga ou a presença de sangue na urina são outros sintomas associados frequentemente à hiperplasia benigna da próstata.

O doente pode também sofrer de impotência sexual, uma condição geralmente provocada pela medicação prescrita para este problema. Caso não procure o tratamento adequado, o doente pode desenvolver complicações graves como infeções urinárias ou até mesmo insuficiência renal.
Relacionadas
Notícias Recomendadas

Marketing Automation certified by E-GOI

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A.
Consulte a Política de Privacidade Cofina.