Saiba como fortalecer o organismo através da alimentação

Da ansiedade à falta de vitaminas, são muitos os fatores que podem enfraquecer o sistema imunitário. Em tempos de coronavírus, manter um estilo de vida equilibrado é ainda mais importante.
Por Rosário Mello e Castro 2 de Junho de 2020 às 18:19
Saiba como fortalecer o organismo através da alimentação
Saiba como fortalecer o organismo através da alimentação

Com todas as mudanças que a pandemia do novo coronavírus provocou num mundo fechado sobre si próprio, os efeitos físicos da quarentena aliados aos efeitos mentais do que vemos acontecer através das nossas janelas eletrónicas talvez sejam dos mais imediatos. As inevitáveis consequências para a saúde podem ser minimizadas de várias formas, entre elas prestando atenção ao sistema imunitário, essa complicada multiplicação de células, órgãos e tecidos que trabalham em conjunto para evitar infeções.

Tal como já tínhamos notado quando investigámos as várias formas de combater o novo coronavírus reforçar as defesas, o stress, o sono e a vitamina D estão entre os principais fatores a ter em conta. No entanto, um estilo de vida saudável também pode fazer uma pequena, grande diferença.

"A prática regular do exercício físico ajuda a aumentar o número de linfócitos, que são as chamadas células ‘natural killers’, e a diminuir o stress, equilibrando o nosso sistema nervoso, endócrino e imunológico, fazendo com que o nosso organismo se fortaleça e fique menos suscetível a diversas doenças," avança Tomás Barbosa, nutricionista da Clínica do Tempo, na Parede. Mesmo que os treinos sejam limitados, são essenciais, defende, tanto para o metabolismo como para a saúde mental.

O mesmo se passa em relação à alimentação, que se quer equilibrada, saudável e variada. Para estimular o sistema imunológico, explica Tomás Barbosa, devemos privilegiar alimentos ricos em ómega-3 (sardinha, salmão, arenque, atum, sementes de chia, nozes e linhaça); selénio (arroz, frutos secos, gema de ovo, sementes de girassol, frango, queijo e repolho); zinco (ostras, camarão, carne de vaca, frango, peru, peixe, fígado, gérmen de trigo, grãos integrais e frutos secos); vitamina C (laranja, tangerina, ananás, limão, morango, melão, papaia, manga, kiwi, brócolos, tomate, melancia, acerola e açaí); vitamina E (sementes de girassol, avelã, amendoim, amêndoas, manga, azeite, molho de tomate, azeite de girassol, nozes e papaia); vitamina A: cenoura, batata-doce, manga, espinafres, melão, acelga, pimentão vermelho, brócolos, alface e ovo; e probióticos (iogurte natural, leite fermentado tipo kefir ou Yakult para fortalecer a saúde intestinal)

Naturalmente, é importante evitar alimentos processados, gorduras saturadas, excesso de açúcar, álcool e tabaco. Depois, e tendo em conta que o isolamento social pode incentivar excessos calóricos desnecessários e um dia a dia mais sedentário, o ideal será reduzir as porções, diz Tomás Barbosa. "Uma dica muito útil é durante este período comermos em pratos de sobremesa e com talheres de sobremesa," acrescenta.

Quanto aos suplementos, defende que estes não serão necessários para quem já tem "hábitos de vida saudáveis que incluam uma alimentação equilibrada, a prática regular de exercício físico, o controlo de stress e o equilíbrio emocional." E devem aplicar-se apenas a quem tem "carências vitamínicas, de minerais e excesso de metais tóxicos e radicais livres."

Relacionadas
Notícias Recomendadas

Marketing Automation certified by E-GOI

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A.
Consulte a Política de Privacidade Cofina.