Doentes com diabetes sofrem "grande acréscimo" de problemas clínicos devido à Covid-19, mostra estudo

Federação Europeia dos Enfermeiros em Diabetes demonstra riscos psicológicos e físicos "preocupantes".
Por Lusa 10 de Fevereiro de 2021 às 19:46
Coronavírus xxx
Coronavírus xxx Foto: Nuno André Ferreira

Uma investigação da Federação Europeia dos Enfermeiros em Diabetes demonstrou riscos psicológicos e físicos "preocupantes" nas pessoas com diabetes durante a pandemia, bem como a interrupção nos cuidados de saúde em toda a Europa.

"Os resultados mostram que os enfermeiros especialistas em toda a Europa observaram aumentos expressivos de problemas físicos e psicológicos na população com diabetes, sendo que, em Portugal, os riscos a nível psicológico representam mais de metade das preocupações comparativamente aos riscos a nível físico. Os dados refletem ainda a interrupção significativa dos serviços clínicos para a diabetes na Europa", realçou em comunicado a Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP).

A entidade participou na investigação promovida pela Federação Europeia dos Enfermeiros em Diabetes, que contou com a participação de 1.829 enfermeiros especialistas em diabetes de 27 países europeus, incluindo Portugal.

No Consórcio Europeu de Enfermeiros Especialistas em Diabetes foi registado um grande acréscimo em problemas clínicos como ansiedade (82%), diabetes (65%), depressão (49%), hiperglicemia aguda (39%) e complicações nos pés (18%).

Além disso, 47% dos entrevistados identificaram que o nível de atendimento prestado às pessoas com diabetes diminuiu extrema ou severamente.

"Pelo que sabemos, este é o primeiro estudo a avaliar o impacto da covid-19 em pessoas com diabetes na Europa, a partir das experiências de profissionais de saúde especialistas na doença. É preocupante que, durante este período de grandes necessidades, a pandemia da covid-19 esteja também a prejudicar a rotina dos cuidados de pessoas com diabetes. É preciso ter presente que a diabetes é uma condição crónica complexa e as pessoas que vivem com ela, necessitam de apoio continuado e interdisciplinar", assinalou a enfermeira da APDP Ana Cristina Paiva, uma das participantes do consórcio de enfermeiros especialistas que desenvolveu o estudo.

Para João Filipe Raposo, diretor clínico da APDP, "a pandemia veio trazer enormes desafios e estes números são o reflexo de uma desigualdade crescente no acesso aos cuidados de saúde que, por toda a Europa, estão, quase em exclusivo, dedicados ao combate à covid-19.

Segundo o responsável, "outro dos fatores preocupantes demonstrados neste estudo foi que 18% dos inquiridos relataram um aumento nas complicações dos pés. Embora seja uma percentagem relativamente pequena em comparação com outros problemas, conhecemos bem as consequências deste tipo de complicações e a importância do exame físico e de uma rápida intervenção".

O apoio psicológico, assim como o apoio na autogestão e na educação em diabetes foram também avaliados como tendo diminuído extremamente ou severamente durante a pandemia em 34%, 31% e 63%, respetivamente.

"Este estudo vem reforçar a evidência da necessidade de se adaptarem os circuitos de acompanhamento e de apoio para minimizar o impacto da pandemia nas pessoas com diabetes. Na APDP temos desenvolvido todos os esforços para não interrompermos os cuidados e mantermos a capacidade no atendimento, através do recurso à telemedicina em consultas de seguimento, e presencialmente em consultas de primeira vez, do pé, de oftalmologia, entre outras intercorrências", frisou João Filipe Raposo.

A APDP tem disponível uma linha de atendimento telefónico para prestar aconselhamento especializado a todas as pessoas com diabetes. A Linha de Apoio em Diabetes (21 381 61 61) está disponível das 09:00 às 17:00, incluindo fins de semana e feriados.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.341.496 mortos no mundo, resultantes de mais de 106,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 14.718 pessoas dos 774.889 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Relacionadas
Notícias Recomendadas
Família

O meu filho é homossexual: e agora?

É possível que ‘sair do armário’ nem sempre seja uma tarefa fácil — ainda mais quando tal sucede em plena adolescência. O testemunho de uma mãe que não desistiu da felicidade do filho e aprendeu com ele pelo caminho.